Paulo Pereira da Silva, Paulinho.

Formou-se no curso técnico de Inspetor de Qualidade, no Senai.

Foi militante do Partido Comunista do Brasil – PC do B no final dos anos 70 e início dos anos 80, subordinado ao hoje deputado José Genoíno, do PT. Passou a ser conhecido e a conviver, depois da anistia, com quase todos os que lutavam pela redemocratização do país, como Fernando Henrique Cardoso, Ulysses Guimarães e Mário Covas, principalmente. É até hoje amigo de Fernando Henrique, cuja segunda campanha eleitoral ajudou a coordenar, mas dele discordou quando não conseguiu cumprir com as principais promessas – reformas tributária e fiscal e da previdência, como forma de resolver a crise das finanças públicas e retomar o desenvolvimento, com o crescimento do emprego e da justiça social. 

Paulinho cresceu rapidamente no Sindicato dos Metalúrgicos, onde entrou como militante, logo promovido a diretor. Em 1991, aos 35 anos, ocupou o cargo de Secretário Geral do Sindicato, então presidido por Luiz Antonio de Medeiros, que já se afastava, parcialmente, para ser presidente da recém fundada Força Sindical.

Na secretaria geral do sindicato, pôde exercer sua grande vocação: a de administrador de recursos humanos e financeiros, de coordenador geral das finanças, da estrutura e dos resultados a serem perseguidos pela instituição.

Logo foi eleito vice-presidente e depois presidente do Sindicato, numa época de crise, em que a arrecadação da entidade caiu bastante.

Em 1994, na presidência da Força Sindical – da qual Medeiros se licenciou para ser deputado federal – Paulinho continuou seu trabalho empreendedor. Foi ele quem transformou a Força Sindical na maior central sindical do setor privado do país, maior que a CUT, se não forem considerados os sindicatos de servidores públicos e dos bancos estatais.

Em 2002, foi convidado e aceitou a ser vice na chapa encabeçada por Ciro Gomes.

Em junho de 2003, se filiou ao PDT, Partido Democrático Trabalhista. Em julho de 2004, assume a presidência estadual do diretório em São Paulo e foi candidato nas eleições para prefeito no mesmo ano.

Em 2006, foi eleito deputado federal com 287.443 mil votos, o sexto mais votado no Estado de São Paulo e 12° no Brasil.

No 6º Congresso Nacional da Força Sindical, realizado em julho de 2009, Paulinho foi reeleito presidente da Força Sindical.